Posts recentes

Tulasi Puja – Como Cuidar e Adorar Tulasi devi

A primeira concepção que devemos adquirir a respeito de Tulasi devi é que Ela é uma expansão direta de Srimati Radharani, e portanto, Tulasi devi nos concede bhakti, amor puro por Krsna, sem o serviço amoroso a Ela, é impossível entrarmos em Vrndavana. Assim, Tulasi devi também é alvo de nossa adoração e parte integrante da rotina diária de todo Vaisnava. Apesar de, para a nossa visão material, Ela se apresentar como uma plantinha, Tulasi devi é uma deidade adorável, e em Goloka Vrndavana, a morada eterna do Senhor Krsna, Ela é Srimati Vrnda devi, a personificação de Sri Vrndavana Dhama o local onde todos os passatempos eternos de Sri Krsna são abrigados.

Sri Tulasi devi Pranama

(om) vrndayai tulasi-devyai priyayai kesavasya ca
krsna-bhakti-prade devi! Satyavatyai namo namah

“Eu ofereço pranama repetidamente a Srimati Tulasi-devi, que é a mais querida de Sri Kesava, e que também é reconhecida como Sri Vrnda-devi e como Satyavati. Ó Devi, Você concede krsna-bhakti!”

Sri Vrndavana-dhama Pranama

jayati jayati vrndaranyam etan murareh
priataman ati-sadhusvanta-vaikuntha-vasat
ramayati sa sada gah palayan yatra gopih
svarita-madhura-venur vardhayan prema rase

“Todas as glórias! Todas as glórias a Sri Vrndavana-dhama que é gloriosamente exaltada como a mais adorada residência de Sri Murari, que adora viver aqui mais do que no coração de lótus dos santos ou em Sri Vaikuntha-dhama. Aqui em Seus passatempos eternos, Ele pessoalmente cuida de todas as vacas e tocando as mais doces melodias em Sua flauta, Ele dá prazer às gopis, aumentando o amor delas pelos passatempos de rasa.”

O amor de Sri Tulasi devi por Sri Krsna é tão grande, que Ela oferece todo o seu corpo ao serviço de Sri Krsna. E o amor de Sri Krsna por Ela é tão grande que qualquer serviço devocional prestado a Ele deve primeiro ser tocado por Ela, recebendo a sua guia e tutela. Enquanto Seu corpo material é vivo, Suas folhas e Suas tenras mañjaris (florescências) são diariamente oferecidas na adoração aos pés de lótus de Sri Bhagavan, e também usadas como parte do ritual  para se oferecer bhoga a Krsna, como visto aqui. Depois que Ela abandona o corpo, de Seus restos são feitas as kunti-malas, e as japa-malas que são usadas na prática devocional do cantar dos santos nomes.

A importância de Tulasi devi é tamanha que Srila Visvanatha Cakravarthi Thakura compôs um astakam (composição poética em sânscrito de oito versos) para Srimati Vrnda devi.

Sri Vrnda-devyastakam

gangeya-campeya-tadid-vinindi-
rocih-pravaha-snapitatma-vrnde |
bandhuka-bandhu-dyuti-divya-vaso
vrnde namas te caranaravindam ||1||

“Você inunda todos os Seus associados com uma enchente do Seu esplendor, o qual deprecia o ouro, as flores campaka e o relâmpago. O Seu vestido divino vermelho alaranjado se assemelha ao lustre das flores bandhuka. Ó Vrnda, nós oferecemos pranama aos Seus pés de lótus!”

bimbadharoditvara-manda-hasya-
nasagra-mukta-dyuti-dipitasye |
vicitra-ratnabharana-sriyadhye
vrnde namas te caranaravindam ||2||

“Ó Vrnda! O Seu semblante é especialmente radiante, iluminado pelo gentil sorriso que surge em Seus lábios vermelhos como frutas bimba e pela pérola em Seu nariz. A Sua beleza é aumentada pelos vários ornamentos incrustados de joias. Ó Vrnda, nós oferecemos pranamas aos Seus pés de lótus!”

samasta-vaikuntha-siromanau sri-
krsnasya vrndavana-dhanya-dhamni |
dattadhikare vrsabhanu-putrya
vrnde namas te caranaravindam ||3||

“A filha de Vrsabhanu Maharaja, Srimati Radhika, deu a Você domínio sobre a mais gloriosa Sri Vrndavava Dhama de Sri Krsna, a qual é a joia da coroa de todos os planetas Vaikuntha. Ó Vrnda, nós oferecemos pranama aos Seus pés de lótus!”

tvad ajnaya pallava-puspa-bhrnga
mrgadibhir madhava-keli-kunjah |
madhvadibhir bhanti vibhusyamana
vrnde namas te caranaravindam ||4||

“Ao Seu comando os botões florescem, flores, abelhas, gamos e todos os tipos de animais e pássaros, bem como as seis estações, lideradas pela primavera, brilhantemente decoram os kuñjas onde Sri Madhava desfruta de Seus passatempos lúdicos. Ó Vrnda, nós oferecemos pranama aos Seus pés de lótus!”

tvadiya-dutyena nikunja-yunor
atyutkayoh keli-vilasa-siddhih |
tvat-saubhagam kena nirucyatam tad
vrnde namas te caranaravindam ||5||

“A Sua competência em agir como uma mensageira torna possível que o Jovem Casal dos kuñjas realizem os Seus lúdicos passatempos amorosos, pelos quais Eles estão tão ansiosos. Quem pode descrever apropriadamente a Sua boa fortuna? Ó Vrnda, nós oferecemos pranama aos Seus pés de lótus!”

rasabhilaso vasatis ca vrnda-
vane tvad-isanghri-saroja-seva |
labhya ca pumsam krpaya tavaiva
vrnde namas te caranaravindam ||6||

“O desejos de observar a rasa-lila, de obter residência em Sri Vrndavana e realizar serviço aos pés de lótus do Seu Senhor e Senhora, só é obtido por uma pessoa unicamente através de Sua misericórdia. Ó Vrnda, nós oferecemos pranama aos Seus pés de lótus!”

tvam kirtyase satvata-tantra-vidbhir
lilabhidhana kila krsna-saktih |
tavaiva murtis tulasi nr-loke
vrnde namas te caranaravindam ||7||

“Aqueles familiarizados nas escrituras devocionais (bhakti-tantras) glorificam você como a potência de passatempo de Sri Krsna (lila-Sakti). Neste mundo, você assume a forma da árvore tulasi. Ó Vrnda, nós oferecemos pranama aos Seus pés de lótus!”

bhaktya vihina aparadha-laksaih
ksiptas ca kamadi-taranga-madhye |
krpamayi tvam saranam prapanna
vrnde namas te caranaravindam ||8||

“Desprovidos de bhakti e culpados por ilimitadas ofensas, nós somos arremessados nas ondas da luxúria [raiva, cobiça e assim por diante]. Ó misericordiosa, nós nos refugiamos em Você! Ó Vrnda, nós oferecemos pranama aos Seus pés de lótus!”

vrndastakam yah srnuyat pathed va
vrndavanadhisa-padabja-bhrngah |
sa prapya vrndavana-nitya-vasam
tat-prema-sevam labhate krtarthah ||9||

“Aqueles que como zangões aos pés de lótus do Casal Divino, ouvem e recitam este Vrndadevyastaka, irão obter residência eterna em Vrndavana, e tornar-se-ão realizados, obtendo serviço amoroso a Eles.”

O serviço direto a Srimati Tulasi devi é feito tanto pelos cuidados com o corpo material dela, como pela adoração à sua forma transcendental, realizada através de puja, arati, pranamas (orações e reverências) e de parikrama (circumbulação ao redor da plantinha). O puja (adoração) de Tulasi devi é realizado depois do mangala-arati dentro do altar, à portas fechadas, após o puja de Sri Guru e das deidades. O arati e o parikrama são realizados três vezes ao dia, após o mangala-arati, após o madhyahna-arati, e após o sandhya-arati. Caso não se faça nenhum tipo de puja ou arati a Sri Guru ou às deidades, por qualquer motivo que seja, ainda assim eles podem ser feitos diretamente à Tulasi devi sem qualquer prejuízo.

Sri Tulasi-Puja

Após realizar o puja de Sri Guru, e o puja das deidades, inicia-se o puja de Tulasi-devi, onde Ela será banhada; e a Ela será oferecido água santificada do pancapatra ou do arghya-patra; flores embebidas em pasta de sândalo; a caranamrta ou a água oferecida a Sri Sri Radha-Krsna durante Seu puja realizado anteriormente; as guirlandas e os remanescentes das flores oferecidas a Sri Sri Radha-Krsna; acamana (água de cravo) para lavar a Sua boca; e reverências (pranama). Primeiramente, inicia-se a adoração oferecendo orações, como a que vem a seguir:

nirmita tvam pura devair
arcita tvam surasuraih
tulasi hara me ´vidyam
pujam grhna namo ´stu te

“Ó Srimati Tulasi devi, eu ofereço repetidamente pranamas a você. Você foi criada pelos semideuses e adorada por eles bem como pelos demônios. Gentilmente leve embora a minha ignorância e aceite a minha adoração.”

Em seguida, banhe Tulasi devi com um suave chuveirinho de água fresca, nem quente, nem gelada, repetindo o snana-mantra abaixo, enquanto toca o sino.

om govinda-vallabham devim
bhakta-caitanya-karinim
snapayami jagad-dhatrim
krsna-bhakti-pradayinim

“Eu estou banhando Tulasi devi, que é muito querida para Govinda e que traz vida para todos os devotos. Ela é a mãe do universo e a outorgante de krsna-bhakti.”

Em seguida, banhe a terra onde ela se encontra plantada com água santificada, ou água do ganges, proveniente do pancapatra, ou do arghya-patra, tocando o sino e recitando o seguinte arghya-mantra:

sriyah sriyeh sriya-vase
nityam sridharam satkrte
bhaktya dattam maya devi
arghyam grhna namo ´stu te

“Ó Tulasi devi, eu ofereço pranamas a Você que é o abrigo e a residência de toda a beleza e opulência. Você é adorada até mesmo pelo próprio Bhagavan. Ó Tulasi, por favor aceite esta água arghya a qual é oferecida com devoção por mim.”

Após o banho da terra e da Tulasi, sente-se no asana diante Dela, com o lotha (pote) de despejo; o pancapatra com água do ganges; o sino; um pratinho com a pasta de sândalo; um pote de acamana dedicado exclusivamente a Ela e às deidades; e a caranamrta oferecida, ou a água que lavou os pés de Sri Sri Radha-Krsna. E tocando o sino continuamente, comece a adoração, conforme as instruções a seguir:

  • Recitando o mantra ete-gandha-puspe om tulasyai namah, ofereça flores embebidas na pasta de sândalo, ou um pouco de água do pancapatra na ausência de flores, aos Seus pés de lótus (base da plantinha);
  • Recitando o mantra idam krsna-caranamrtam om tulasyai namah, ofereça a caranamrta ou a água que lavou os pés de Sri Sri Radha-Krsna, ou um pouco de água do pancapatra na ausência de caranamrta, à Tulasi devi;
  • Recitando o mantra idam maha-prasada-nirmalyadikam sarvam om tulasyai namah, ofereça as guirlandas e os remanescentes de flores que foram oferecidas a Sri Sri Radha-Krsna, ou um pouco de água do pancapatra na ausência de guirlandas, à Tulasi devi;
  • Recitando o mantra idam acamaniyam om tulasyai namah, ofereça um pouco de acamana, ou água do pancapatra na ausência de acamana, à Tulasi devi.

Agora preste reverências (pranamas) e faça glorificações (stuti) à Ela.

Sri Tulasi devi Pranama

(Om) vrndayai tulasi-devyai priyayai kesavasya ca
krsna-bhakti-prade devi! Satyavatyai namo namah

“Eu ofereço pranama repetidamente a Srimati Tulasi-devi, que é a mais querida de Sri Kesava, e que também é reconhecida como Sri Vrnda-devi e como Satyavati. Ó Devi, Você concede krsna-bhakti!”

Sri Tulasi devi Stuti

maha-prasada-janani
sarva-saubhagya-vardhini
adhivyadhi-hara nityam
tulasi tvam namo ´stu te

“Ó Tulasi devi, eu Lhe ofereço repetidas reverências! Você e a mãe da maha-prasada e aquela que aumenta toda a boa fortuna, e Você remove toda as doenças e ansiedades mentais.”

Saia de dentro da sala do altar e sopre a concha três vezes, cante o Jaya-dhvani, e ofereça reverências prostradas. Por fim, honre a caranamrta de Sri Sri Guru-Gauranga-Radha-Krsna.

Sri Tulasi Parikrama e Arati

 O Arati e o Parikrama, ou circumbulação, ao redor da Tulasi devi são realizados três vezes ao dia, logo após o arati realizado para as deidades. Para cada horário do dia, uma canção diferente é utilizada, mas o procedimento é sempre o mesmo. O pujari permanece próximo da Tulasi devi com a parafernália adequada para realizar o arati, enquanto que os devotos realizam o parikrama, tocando os instrumentos e fazendo kirtana.

Não vou me deter nas explicações do que é arati, pois este será explicado posteriormente em outra sessão, mas o pujari irá precisar de incenso; lamparina de ghee; búzio com água do ganges, ou com a caranamrta, ou com a água oferecida ao pés de Krsna; lenço seco; flores; e uma camara. A lamparina pode ser a mesma utilizada durante o arati para as deidades, desde que ainda esteja completamente acesa.

O pujari permanece em pé em cima de um asana, sem parar de tocar o sino com a mão esquerda enquanto oferece, com a mão direita, os artigos para a Tulasi na seguinte ordem: 1) Incenso; 2) Lamparina de ghee; 3) Água ou caranamrta do búzio; 4) Lenço seco; 5) Flores; 6) camara. Quando o parikrama ocorrer após o mangala-arati, o seguinte bhajan será cantado:

Jaya Radhe, Jaya Krsna

jaya radhe, jaya krsna, jaya vrndavana
sri govinda, gopinatha, madana-mohana ||1||

“Todas as glórias a Sri Radha e a Sri Krsna e à divina floresta de Sri Vrndavana. Todas as glórias às três deidades que presidem em Vrndavana – Sri Govinda, Gopinatha e Madana-mohana.”

syama-kunda, radha-kunda, giri-govardhana
kalindi yamuna jaya, jaya mahavana ||2||

“Todas as glórias ao Syama-kunda, ao Radha-kunda, à colina de Govardhana, ao rio Yamuna (Kalindi). Todas as glórias à grande floresta de Mahavana, aonde Krsna e Balarama exibiram todos os seus passatempos infantis.”

kesi-ghata, vamsi-vata, dvadasa-kanana
jaha saba lila koilo sri nanda-nandana ||3||

“Todas as glórias ao Kesi-ghata, aonde Krsna matou o demônio Kesi. Todas as glórias à árvore Vamsi-vata, aonde Krsna atraiu todas as gopis ao tocar a Sua flauta. Glórias a todas as doze florestas de Vraja. Em todos esses lugares, o filho de Nanda, Sri Krsna, realizou todos os Seus passatempos.”

sri nanda-yasoda jaya, jaya gopa-gana
sridamadi jaya, jaya dhenu-vatsa-gana ||4||

“Todas as glórias aos divinos pai e mãe de Krsna, Nanda e Yasoda. Todas as glórias aos meninos vaqueiros, liderados por Sridama, o irmão mais velho de Srimati Radharani e Ananga Mañjari. Todas as glórias às vacas e aos bezerros de Vraja.”

jaya vrsabhanu, jaya kirtida-sundari
jaya paurnamasi, jaya abhira-nagari ||5||

“Todas as glórias aos pais divinos de Radha, Vrsabhanu e a bela Kirtida. Todas as glórias a Paurnamasi, a guru da comunidade de vaqueiros. (Ela é a mãe de Sandipani Muni, a avó de Madhumangala, e a amada discípula de Devarsi Narada.”

jaya jaya gopisvara vrndavana-majha
jaya jaya krsna-sakha batu dvija-raja ||6||

“Todas as glórias, todas as glórias a Gopisvara Siva, que reside em Vrndavana com o propósito de proteger o dhama sagrado. Todas as glórias, todas as glórias ao engraçado jovem brahmana, Madhumangala, amigo de Krsna.”

jaya rama-ghata, jaya rohini-nandana
jaya jaya vrndavana-vasi jato jana ||7||

“Todas as glórias ao Rama-ghata, aonde Baladeva realizou a sua dança da rasa. Todas as glórias a Balarama, o filho de Rohini. Todas as glórias, todas as glórias a todos os residentes de Vrndavana.”

jaya dvija-patni, jaya naga-kanya-gana
bhaktite jahara pailo govinda-carana ||8||

“Todas as glórias às esposas dos orgulhosos brahmanas vedicos. Todas as glórias às esposas da serpente Kaliya. Através da devoção todos eles obtiveram os pés de lótus de Govinda.”

sri rasa-mandala jaya, jaya radha-syama
jaya jaya rasa-lila sarva-manorama ||9||

“Todas as glórias ao lugar aonde a rasa-lila aconteceu. Todas as glórias à Radha e a Syama. Todas as glórias, todas as glórias à divina dança da rasa, que é o mais belo de todos os passatempos de Krsna.”

jaya jaya ujjvala-rasa sarva-rasa-sara
parakiya-bhave jaha vrajete pracara ||10||

“Todas as glórias, todas as glórias a srngara rasa, a qual é a essência e a mais excelente de todas as rasas e é propagada em Vraja como parakiya-bhava.”

sri jahnava-pada-padma koriya-smarana
dina krsna dasa kahe nama-sankirtana ||11||

“Lembrando dos pés de lótus da consorte de Nityananda Prabhu, Sri Jahnava Devi, este pequeno e muito caído servo de Krsna canta o sankirtana dos santos nomes.”

Quando o arati para Tulasi devi acontece depois do madhyahna-arati, ao meio-dia, a canção passa a ser:

(Hari) Haraye Namah Krsna

(hari) haraye namah krsna yãdavãya namah
yãdavãya mãdhavãya kesavãya namah ||1||

“Eu ofereço pranamas a Você, Ó Hari, Ó Krsna, Ó Yadava, Ó Madhava, Ó Kesava!”

gopãla govinda rãma sri madhusudana
giridhãri gopinãtha madana-mohana ||2||

“Ó Gopala, Ó Govinda, Ó Rama, Ó Sri Madhusudana! Ó Giridhari, Gopinatha, Madana-mohana!”

sri caitanya, nityãnanda, sri advaita goptã (sita)
hari, guru, vaisnava, bhãgavata, gitã ||3||

“Eu ofereço pranamas a Sri Caitanya Mahaprabhu, Sri Nityananda e a Sri Advaita – nossos mantenedores – juntos com Hari, guru, Vaisnavas, o Bhagavata Purana e o Bhagavad-gita.”

sri rupa, sri sanãtana, bhatta-raghunãtha
sri jiva, gopãla-bhatta, dãsa-raghunãtha ||4||

“Eu ofereço pranamas a Sri Rupa, Sri Sanatana, Sri Raghunatha-bhatta, Sri Jiva, Sri Gopala Bhatta e a Sri Raghunatha dasa.”

ei chaya gosãir kori carana vandana
jãhã hoite vighna-nãsa abhista-purana ||5||

“Eu adoro os pés de lótus destes seis Gosvamis, que por cuja misericórdia, todos os obstáculos são removidos e todos os desejos realizados.”

ei chaya gosãi jã´ra, mui tã´ra dãsa
tã´ sabãra pada-renu mora pañca-grãsa ||6||

“Eu sou o servo daqueles que pertencem aos seis Gosvamis. A poeira de seus pés de lótus são as cinco substâncias que mantém a minha vida.”

tã´dera carana sevi bhakta-sane vãsa
janame janame haya ei abhilãsa ||7||

“Servir aos seus pés de lótus e morar na companhia dos devotos é a minha aspiração nascimento após nascimento.”

ei chaya gosãi jabe vraje koilã vãsa
rãdhã-krsna-nitya-lilã korilã prakãsa ||8||

“Quando esses Gosvamis residiram em Vraja, eles revelaram os passatempos eternos de Sri Sri Radha-Krsna.”

ãnande bolo hari, bhajo vrndãvana
sri guru-vaisnava-pade majãiyã mana ||9||

“Cantando extáticamente os nomes de Sri Hari, e adorando Vrndavana, imergindo suas mentes nos pés de lótus de Sri Guru e dos Vaisnavas.

sri guru-vaisnava-pãda-padma kori´ ãsa
nãma-sankirtana kahe narottama dãsa ||10||

“Aspirando pelos pés de lótus de Sri Guru e dos Vaisnavas, Narottama dasa canta este harinama-sankirtana.”

 E, por fim, quando o parikrama e arati para Tulasi devi acontecem após o sandhya-arati, no início da noite, a canção passa a ser a seguinte:

Sri Tulasi Parikrama e Arati

namo namah tulasi krsna-preyasi (namo namah)
radha-krsna-nitya-seva – ei abhilasi (namo namah) ||1||

“Ó Srimati Tulasi devi, Você é muito querida por Krsna. Desejando obter o serviço eterno a Sri Sri Radha-Krsna (em Vraja), eu Lhe ofereço, repetidamente, as minhas humildes reverências.”

je tomara sarana laya, sei krsna-seva paya
krpa kori kara tare vrndavana-vasi
tulasi krsna-preyasi (namo namah) ||2||

“Quem quer que se abrigue em Você obtém serviço a Sri Krsna. Sendo misericordiosa, você faz desta pessoa um habitante de Vrndavana.”

tomara carane dhari, more anugata kari
gaurahari-seva-magna rakha diva-nisi
tulasi krsna-preyasi (namo namah) ||3||

“Eu humildemente seguro os Seus pés de lótus. Que você possa me fazer o Seu íntimo seguidor e me manter imerso no serviço a Sri Gaurahari, dia e noite.”

dinera ei abhilasi, mayapure dio vasa
angete makhiba sada dhama dhuli rasi
tulasi krsna-preyasi (namo namah) ||4||

“É a aspiração desta alma caída que você me conceda residência em Mayapura, aonde eu irei sempre espalhar a poeira da morada divina no meu corpo.”

tomara arati lage , dhupa, dipa, puspa magi
mahima bakhani ebe hao more khusi
tulasi krsna-preyasi (namo namah) ||5||

“Para o Seu arati, eu irei mendigar incenso, uma lamparina de ghee, e flores. Eu agora canto as Suas glórias, então, por favor, fique feliz comigo.”

jagatera jata phula, kabhu nahe samatula
sarva-tyaji krsna tava patra mañjari vilasi
tulasi krsna-preyasi (namo namah) ||6||

“De todas as flores no universo, nenhuma é igual a Você. Esquecendo delas todas, Krsna realiza passatempos somente com as suas mañjaris (e folhas).”

ogo vrnde maharani! krsna-bhakti pradayini!
tomara padapa-tale, deva-rsi kutuhale
sarva-tirtha laye tãra hana adhivasi
tulasi krsna-preyasi (namo namah) ||7||

“Ó Vrnde Maharani, fornecedora de Krsna-Bhakti! Os semideuses e os sábios, juntos com todos os lugares sagrados, jubilosamente residem aos seus pés.”

sri kesava ati dina, sadhana-bhajana-hina
tomara asraye sada namanande bhasi
tulasi krsna-preyasi (namo namah) ||8||

“Apesar de Sri Kesava ser extremamente caído e despido de sadhana e bhajana, tendo aceito o Seu abrigo, ele sempre flutua no êxtase dos santos nomes.”

 Ao final do parikrama, todos prestam reverências à Tulasi devi, enquanto alguém canta o jaya dhvani. Em seguida, todos repetem o Seu Pranama Mantra, e também oferecem reverências uns aos outros através do Vaisnava Pranama Mantra.

Cuidados com Tulasi devi

A plantinha é uma erva, e bem sensível, mas uma vez adaptada ao ambiente, se reproduz com facilidade e requer poucos cuidados. Por ser uma erva arbustiva, se as florescências (mañjaris) não forem colhidas ainda frescas, toda a energia da planta se volta para o seu ciclo reprodutivo, para produzir novas sementes e abandonar o corpo em seguida. O seu ciclo varia de acordo com o clima e a quantidade de luz fornecida, onde a alta umidade e o calor favorecem a formação de sementes – gerando plantas pequenas; mas se o clima for seco e frio favorece o crescimento vegetativo – gerando plantas grandes. Mas, o mais importante para o crescimento da planta são, indubitavelmente, a colheita seletiva das mañjaris e das folhas, um solo fértil, e bastante luz.

Por ser uma deidade, Ela deve ficar segregada das plantas comuns do jardim, seja em vasos ou na terra. E as plantas pequenas devem ficar cobertas por uma rede ou tela para protegê-las de predadores. Também por ser uma deidade, quem for cuidar da Tulasi devi deve estar de banho tomado, vestindo roupas limpas – preferencialmente devocionais, com as marcas da tilaka no corpo (ver guia, aqui), ter feito acamana com água do ganges e estar descalço.

Não deve-se usar nenhum tipo de inseticida ou herbicida industrializado para impedir a proliferação de pragas, ou combatê-las. Uma solução de álcool 70% ou de água de cravo, embebidas em algodão para limpar as folhas contaminadas é mais do que suficiente. As folhas e mañjaris só devem ser colhidas durante o dia, de preferência na parte da manhã, e nunca devem ser colhidas em dvadasi (o dia seguinte ao dia de ekadasi – dia de jejum de grãos). Folhas comidas por insetos, amareladas, doentes, ou infestadas por pragas não devem ser usadas no serviço a Sri Bhagavan, mas devem ser colhidas ou tratadas. As folhas nunca devem ser colhidas com facas ou tesouras, e os galhos nunca devem ser podados. As folhas e as mañjaris devem ser colhidas uma a uma, cuidadosamente com a mão direita – usando o polegar e o indicador.

Antes de iniciar qualquer cuidado à Tulasi devi, deve-se prestar reverências prostradas e recitar Seu Pranama Mantra, como descrito acima; em seguida, deve-se banhar / molhar a terra onde a Tulasi esteja plantada com três colheradas do pote de acamana reservado para as deidades ou um exclusivo para a Tulasi devi, enquanto se recita o Snãna-Mantra.

Snana-Mantra

om govinda-vallabham devim
bhakta-caitanya-karinim
snapayami jagad-dhatrim
krsna-bhakti-pradayinim

“Eu estou banhando Tulasi devi, que é muito querida para Govinda e que traz vida para todos os devotos. Ela é a mãe do universo e a outorgante de krsna-bhakti.”

Enquanto se colhe as folhas e as mañjaris deve-se manter em recitação e mentalização do seguinte mantra:

Cayana-Mantra

om tulasy amrta-janmãsi
sada tvam kesava-priyã
kesavarthe cinomi tvam
varadã bhava sobhane

“Ó Tulasi, Você se manifestou do néctar e você é muito querida para Sri Kesava. Agora eu estou colhendo as suas folhas para o serviço de Sri Kesava. Ó  concededora de bêncãos; fique satisfeita comigo.”

E ao término do serviço à Tulasi devi, presta-se reverências novamente e recita-se o seguinte mantra para pedir perdão por quaisquer ofensas cometidas durante o serviço.

Aparadha-Ksama-Prarthana-Mantra

cayanodbhava duhkham ca
yad hrdi tava vartate
tat ksamasva jagan-matah
vrnda-devi namo ´stu te

“Ó mãe do universo, por favor, me perdoe se eu Lhe causei alguma dor ao colher as suas folhas. Ó Vrnda-devi, eu Lhe ofereço as minhas mais humildes reverências.”

 O serviço à Tulasi devi é simples e traz muita satisfação quando realizado no humor adequado. Cuidar da Tulasi é cuidar do local onde os passatempos acontecem, é cuidar de todas as sakhis e sakhas, gopis e gopas, e principalmente, cuidar de Srimati Radhika e de sua amada Vrndavana.

Anúncios

Iluminando o Caminho de Bhakti

Burijana dasa: Dhanurdhara Maharaja e eu não estávamos aqui da última vez que você falou, mas nós escutamos a fita.

Sripad Dhanurdhara Maharaja: Mas nós não pudemos compreender pela fita o que você estava fazendo. Nós não compreendemos os seus gestos.

Sripad Tamal Krsna Gosvami: As mañjaris.

Sripad Dhanurdhara Maharaja: Era sobre as mañjaris. Você disse: “É desse jeito.”

Srila Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja: Tamal Krsna Maharaja pode descrever melhor do que eu.

Sripad Dhanurdhara Maharaja: Ele já nos disse, mas nós queremos ouvir de suas realizações.

Sripad Tamal Krsna Gosvami: Você nos disse que o que você estava falando não estava em livro algum. Leia mais

Sobre Raganuga-Bhakti

Srila Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja: O que é uma mañjari? Ouvimos falar de Kamala-mañjaris e manga-mañjaris. Qualquer trepadeira ou boa flor possui mañjaris. Embora a mañjari apareça primeiro e, em seguida, a flor; a mañjari está sempre localizada acima da flor. Quando uma abelha vem sentar-se na flor e beber seu mel, a mañjari tremula, ficando muito feliz.

Da mesma forma, a abelha Krsna vem até Srimati Radhika, Ela olha para Ele, e Eles se envolvem em passatempos amorosos (prema-vilasa). Embora a ‘abelha’ não se senta na mañjari, a mañjari treme, sentindo-se como se a abelha estivesse se sentando em cima dela. O que quer que a “flor” experimenta nesses passatempos também se manifesta na mañjari, por isso não há necessidade de a abelha ir até ela. Ela automaticamente sente tudo que é sentido pela “flor”. Se a abelha beija a flor, então, vendo isso, a mañjari sente que “a abelha me beijou.” Leia mais

Vilapa-Kusumañjali – verso 7

aty-utkatena nitaram virahanalena
dandahyamana-hrdaya kila kapi dasi
ha svamini ksanam iha pranayena gadham
akrandanena vidhura vilapami padyaih

 

aty – extremo, utkatena – grande, nitaram – constantemente, virahanalena – separação pelo fogo, dandahyamana – sendo queimado, hrdaya – o coração, kila – realmente, kapi – alguma, dasi – serva, ha – ó, svamini – senhora, ksanam – por um momento, iha – aqui, pranayena – com amor, gadham – intenso, akrandanena – pelo choro, vidhura – sofrendo, vilapami – eu lamento, padyaih – com versos.

Pelo enorme fogo da separação extrema, constantemente, o coração de alguma serva está sendo realmente queimado. Ó senhora, chorando por um momento aqui com amor intenso e sofrendo, eu lamento com versos

“Ó Svamini! Eu sou tua serva! Mas meu coração está queimando devido ao incêndio virulento de Sua separação. Eu choro repetidamente e, portanto, me tornei completamente prejudicada. Vendo nenhum outro meio de recuperação, eu residir em Sri Govardhana às margens do Sri Radha-kunda e suplico amorosamente aos Seus pés de lótus com estes versos de lamentação.”

Existem dois tipos de bhajana. O primeiro é em vipralambha-lila, e que é realizado por cantar e lembrar-se dos passatempos de separação. O segundo é em sambhoga-lila, e é realizado por lembrar-se dos passatempos de união. Embora as gopis e os Vrajavasis sempre gostem de se encontrar com Krsna, Ele toca de tal maneira que eles vão desfrutar de vipralambha-rasa. O sadhaka cultiva vipralambha-bhava, pensando: “Eu não estou vendo Krsna, eu não estou vendo Radhika, eu não estou vendo Vraja, eu não estou vendo nada!” Ele deve sempre se sentir em separação, como Raghunatha dasa Gosvami mostrou aqui – em separação de Krsna e especialmente de Srimati Radhika. Leia mais

O que é Sadhu-Sanga

Eu estou feliz que os devotos de várias partes da Austrália, e também de várias partes do mundo, se reuniram aqui para ter associação. Vocês poderiam facilmente ficar cantando os santos nomes, lendo livros, e realizando outras atividades devocionais em suas casas. Vocês podem facilmente fazer isso. Então, por que vocês vieram aqui? Gastando tanto dinheiro vocês vieram aqui somente para ouvir hari-katha. Este é um sinal muito bom.

A associação com bhaktas de alta classe é glorificada por todo o Srimad Bhagavatam. Srila Bhaktivinoda Thakura escreveu a canção “Sudha Bhakata carana renu, bhajana anukula.” Qual é o significado desta canção? “A poeira dos pés de lótus de Vaisnavas de alta classe, especialmente aqueles na linha de Sri Caitanya Mahaprabhu, e especialmente aqueles na linha de Srila Rupa Gosvami, é muito favorável para o sucesso em bhajana.” Além disso, se Vaisnavas rasikas estão falando todos os tipos de hari-katha elevado, é muito benéfico para nós ouvi-los. Portanto, quando Sri Sukadeva Gosvami começou a dar aula sobre o Srimad Bhagavatam, incluindo Sri Narada, Sri Vedavyasa e Sri Parasara Muni todos os Vaisnavas elevados se reuniram para ouvi-lo. Leia mais

Como Entrar em Raganuga-Bhakti

No início de 1990, Srila Narayana Gosvami Maharaja costumava dar darsanas para vários membros do GBC da ISKCON. Durante esses anos, pediram-lhe para discutir várias literaturas Gaudiya Vaisnavas, como Jaiva-dharma, o décimo canto do Srimad-Bhagavatam, Harinama-cintamani, Vilapa- kusumanjali e Raga-vartma-candrika.

Em 1991, ele conduziu quatro debates sobre o Raga-vartma-candrika. Abaixo é o primeiro da série, e esperamos para enviar-lhe o resto, um após o outro. Como você deve saber, Srila Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja pediu que todas as suas caminhadas matinais e seus darsanas fossem publicados, e ele ordenou que estes darsanas para os membros da ISKCON GBC também fossem incluídos: Leia mais

Rati está lá na forma de sraddha, e ruci está lá na forma de sraddha, mas gradualmente se desenvolvem. Somente os nomes são diferentes. O nome foi mudado, mas é a mesma coisa. Ruci aparece pela primeira vez em sraddha e surge, por fim, direcionada para a istadeva (a deidade adorada – Sri Sri Radha-Krsna). Uma pessoa que possua uma ruci tão espessa não possui gosto por desejos materiais e por coisas materiais. Ela não comete nenhuma aparadha (ofensa). Nada. Neste momento o seu cantar dos santos nomes é puro.

Eu sei que vocês não podem compreender completamente. Entretanto, ao fazer bhajana – fazendo, fazendo, fazendo – vocês podem chegar a este estágio. Não tentem entender através de sua inteligência. Tentem entender através de nosso Guru-varga (sucessão discipular). Nós devemos tentar realizar o que a nossa linha de acaryas escreveu. Eu não posso ser diferente de Srila Bhaktivinoda Thakura. O que eu estou dizendo são seus remanescentes.

Vocês devem tentar fazer mais bhajana. Não tentem entender através da especulação mental. Tentem fazer bhajana e rezar para que vocês possam avançar. Tente cantar Hare Krsna – os nomes transcendentais. Tenha fé forte nos nomes e então, tudo virá.

17 de abril de 2000, Mathura

Então, se você ler o Caitanya Caritamrta ou outros livros de Jiva Gosvami, você poderá compreender algo, de outra forma não. Krsna é advaya-jñana-para-tattva, todas as almas e universos emanam Dele. Vaikuntha e Goloka Vrndavana também vêm Dele. Todos os gopas e gopis também se manifestam Dele. Como eles surgem? Eles surgem a partir de três tipos de sakti: cit-sakti, jiva-sakti e maya-sakti. Estas potências são aspectos de sandhini-sakti, samvit-sakti, e hladini-sakti. O que são estas saktis, ou potências? Agora, você não pode imaginar o que sejam. Primeiro, você deve estar sob a orientação de um Vaisnava e deve tentar servi-lo. Então, avançará gradualmente em sua devoção.

14 de abril de 2000, Mathura

A Limpeza do Templo de Gundica

5 de abril de 2015, Mayapur
Sri Caitanya Mahaprabhu veio a este mundo para instruir as entidades vivas sobre como obter a mais alta de todas as conquistas. Ele fez isso através do Seu próprio exemplo pessoal. Sem seguir a si mesmo, não é possível para instruir a outros.

Nossos corações estão cheios de tantos desejos e ofensas. Há desejos para satisfazer os sentidos, desejos por karma, jñana, e mukti, e assim por diante. Todos esses desejos e ofensas são como poeira no espelho do nosso coração. Para servir corretamente e adorar o Senhor, nosso coração deve estar niskama, completamente livre destes desejos mundanos e ofensas.

É por isso que o Senhor pediu ao serviço de limpeza do Templo Gundica. O templo de Gundica representa o coração do devoto. Srila Prabhupada Bhaktisiddhanta Sarasvati disse que o significado deste passatempo é que, a menos e até que sejamos capazes de limpar essa poeira e sujeira de dentro dos nossos corações, nossos corações nunca serão um local adequado para o Senhor residir. Leia mais

Qual é o dever de um discípulo ideal? Ele não deve meramente ficar com seu Gurudeva; ele deve tentar dar a sua energia através do corpo, mente e palavras e tentar servi-lo de acordo com seus desejos. Ele não deve simplesmente estar presente fisicamente, achando que alguma excitante irá acontecer, enquanto permanece sem entusiasmo para servir. Isto não é sisya, na verdade é algo bem o oposto. Um verdadeiro discípulo sempre deseja, com o coração e a mente, servir cada vez melhor o seu Gurudeva.

Não devemos simplesmente servir intimamente o nosso Gurudeva, nós devemos também respeitar e honrar adequadamente nossos irmãos e irmãs espirituais. Se alguém é sênior a nós, tendo servido nosso Gurudeva há mais tempo, nós devemos mostrar grande honra àquela pessoa. Se alguém é igual a nós, nós devemos honra-lo com amizade, e se encontramos alguém que está em uma posição inferior e que esteja bem sério sobre aprender, nós devemos sempre sermos misericordiosos. Nós devemos tentar realizar serviço devocional de uma maneira muito harmoniosa.