Todos os posts em: Tradução

Iluminando o Caminho de Bhakti

Burijana dasa: Dhanurdhara Maharaja e eu não estávamos aqui da última vez que você falou, mas nós escutamos a fita. Sripad Dhanurdhara Maharaja: Mas nós não pudemos compreender pela fita o que você estava fazendo. Nós não compreendemos os seus gestos. Sripad Tamal Krsna Gosvami: As mañjaris. Sripad Dhanurdhara Maharaja: Era sobre as mañjaris. Você disse: “É desse jeito.” Srila Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja: Tamal Krsna Maharaja pode descrever melhor do que eu. Sripad Dhanurdhara Maharaja: Ele já nos disse, mas nós queremos ouvir de suas realizações. Sripad Tamal Krsna Gosvami: Você nos disse que o que você estava falando não estava em livro algum. Anúncios

Sobre Raganuga-Bhakti

Srila Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja: O que é uma mañjari? Ouvimos falar de Kamala-mañjaris e manga-mañjaris. Qualquer trepadeira ou boa flor possui mañjaris. Embora a mañjari apareça primeiro e, em seguida, a flor; a mañjari está sempre localizada acima da flor. Quando uma abelha vem sentar-se na flor e beber seu mel, a mañjari tremula, ficando muito feliz. Da mesma forma, a abelha Krsna vem até Srimati Radhika, Ela olha para Ele, e Eles se envolvem em passatempos amorosos (prema-vilasa). Embora a ‘abelha’ não se senta na mañjari, a mañjari treme, sentindo-se como se a abelha estivesse se sentando em cima dela. O que quer que a “flor” experimenta nesses passatempos também se manifesta na mañjari, por isso não há necessidade de a abelha ir até ela. Ela automaticamente sente tudo que é sentido pela “flor”. Se a abelha beija a flor, então, vendo isso, a mañjari sente que “a abelha me beijou.”

Vilapa-Kusumañjali – verso 7

aty-utkatena nitaram virahanalena dandahyamana-hrdaya kila kapi dasi ha svamini ksanam iha pranayena gadham akrandanena vidhura vilapami padyaih   aty – extremo, utkatena – grande, nitaram – constantemente, virahanalena – separação pelo fogo, dandahyamana – sendo queimado, hrdaya – o coração, kila – realmente, kapi – alguma, dasi – serva, ha – ó, svamini – senhora, ksanam – por um momento, iha – aqui, pranayena – com amor, gadham – intenso, akrandanena – pelo choro, vidhura – sofrendo, vilapami – eu lamento, padyaih – com versos. Pelo enorme fogo da separação extrema, constantemente, o coração de alguma serva está sendo realmente queimado. Ó senhora, chorando por um momento aqui com amor intenso e sofrendo, eu lamento com versos “Ó Svamini! Eu sou tua serva! Mas meu coração está queimando devido ao incêndio virulento de Sua separação. Eu choro repetidamente e, portanto, me tornei completamente prejudicada. Vendo nenhum outro meio de recuperação, eu residir em Sri Govardhana às margens do Sri Radha-kunda e suplico amorosamente aos Seus pés de lótus com estes versos de lamentação.” Existem dois …

O que é Sadhu-Sanga

Eu estou feliz que os devotos de várias partes da Austrália, e também de várias partes do mundo, se reuniram aqui para ter associação. Vocês poderiam facilmente ficar cantando os santos nomes, lendo livros, e realizando outras atividades devocionais em suas casas. Vocês podem facilmente fazer isso. Então, por que vocês vieram aqui? Gastando tanto dinheiro vocês vieram aqui somente para ouvir hari-katha. Este é um sinal muito bom. A associação com bhaktas de alta classe é glorificada por todo o Srimad Bhagavatam. Srila Bhaktivinoda Thakura escreveu a canção “Sudha Bhakata carana renu, bhajana anukula.” Qual é o significado desta canção? “A poeira dos pés de lótus de Vaisnavas de alta classe, especialmente aqueles na linha de Sri Caitanya Mahaprabhu, e especialmente aqueles na linha de Srila Rupa Gosvami, é muito favorável para o sucesso em bhajana.” Além disso, se Vaisnavas rasikas estão falando todos os tipos de hari-katha elevado, é muito benéfico para nós ouvi-los. Portanto, quando Sri Sukadeva Gosvami começou a dar aula sobre o Srimad Bhagavatam, incluindo Sri Narada, Sri Vedavyasa e …

Como Entrar em Raganuga-Bhakti

No início de 1990, Srila Narayana Gosvami Maharaja costumava dar darsanas para vários membros do GBC da ISKCON. Durante esses anos, pediram-lhe para discutir várias literaturas Gaudiya Vaisnavas, como Jaiva-dharma, o décimo canto do Srimad-Bhagavatam, Harinama-cintamani, Vilapa- kusumanjali e Raga-vartma-candrika. Em 1991, ele conduziu quatro debates sobre o Raga-vartma-candrika. Abaixo é o primeiro da série, e esperamos para enviar-lhe o resto, um após o outro. Como você deve saber, Srila Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja pediu que todas as suas caminhadas matinais e seus darsanas fossem publicados, e ele ordenou que estes darsanas para os membros da ISKCON GBC também fossem incluídos:

A Existência Material – Parte 2

Yadava dasa: Babaji Mahasaya, os sadhus de quem você fala também estão presentes neste mundo e também são oprimidos pelas misérias da existência material, como podem libertar outras jivas? Ananta dasa: Embora seja verdade que os sadhus também vivem neste mundo, há uma diferença significativa entre a vida terrena dos sadhus e a das jivas que estão iludidas por maya. Apesar das vidas terrenas de ambos parecerem ser a mesma coisa do ponto de vista externo, internamente há uma diferença imensa. Além disso, a associação dos sadhus é muito rara, pois, muito embora sempre haja sadhus presentes neste mundo, o homem comum não consegue reconhecê-los. Há duas categorias de jivas que caem nas garras de maya. Umas estão totalmente absortas em prazeres mundanos insignificantes, e tem este mundo material na mais alta estima. Outras, sentindo-se descontentes com os prazeres insignificantes de maya, empregam discernimento mais sutil na esperança de atingir uma qualidade superior de felicidade. Por conseguinte, podemos dividir as pessoas deste mundo em dois grupos: o daquelas que carecem da faculdade de distinguir entre …

A Existência Material – Parte 1

Ao longo das eras, incontáveis ourives viveram na antiga cidade mercantil de Saptagrama, nas margens do rio Sarasvati. Pela misericórdia de Sri Nityananda Prabhu, desde a época de Sri Uddharana Datta, esses mercadores se tornaram viciados em hari-nama-sankirtana. Um deles, entretanto, era uma pessoa muito mesquinha chamada Candidasa, que costumava abster-se de hari-kirtana com os habitantes da cidade porque tinha medo de gastar muito dinheiro para custear os festivais. Candidasa conseguiu acumular uma boa quantidade de riqueza através de negociações avarentas. A sua esposa, Damayanti, adotou o mesmo humor e não oferecia nem mesmo a menor hospitalidade aos Vaisnavas ou a outros convidados. Este casal mercador deu a luz a quatro filhos e a duas filhas em sua juventude. Suas filhas já estavam ambas casadas, e uma vasta herança estava reservada para os seus filhos. Se pessoas santas nunca visitam uma casa, as crianças dentro dela são menos propensas a se tronarem gentis e compassivas. Conforme os filhos cresciam, eles se tornavam cada vez mais egoístas, e começaram a desejar que seus pais morressem para …

Se alguém me oferece, com amor e devoção, uma folha, uma flor, fruta ou água. Eu as aceitarei.

Bhagavad-Gita, capítulo 9, verso 26 patram puspam phalam toyam yo me bhaktya prayacchati tad aham bhakty-upahrtam asnami prayatatmanah yah – qualquer; prayata-atmanah – possuindo uma natureza devocional; prayacchati – livremente oferece (sem desejo de ganho pessoal); me – a Mim; patram – uma folha; puspam – uma flor; phalam – uma fruta; toyam – água; bhaktya – com devoção; tat – esta própria coisa; bhakti-upahrtam – servido com devoção; aham – Eu; asnami – aceito. Se qualquer bhakta de coração puro me oferecer uma folha, uma flor, fruta ou água com amor e devoção, eu certamente irei aceitar esse presente. Comentário de Srila Svami Prabhupada Para a pessoa inteligente, é essencial estar na Consciência de Krsna, engajado no serviço amoroso transcendental do Senhor, a fim de alcançar uma morada permanente, extasiante de felicidade eterna. O processo de obtenção de resultado tão maravilhoso é muito fácil e pode ser tentado mesmo pelos mais pobres dos pobres, sem qualquer tipo de qualificação. A única qualificação necessária, neste contexto, é a de ser um devoto puro do Senhor. …