Mês: março 2015

A Existência Material – Parte 2

Yadava dasa: Babaji Mahasaya, os sadhus de quem você fala também estão presentes neste mundo e também são oprimidos pelas misérias da existência material, como podem libertar outras jivas? Ananta dasa: Embora seja verdade que os sadhus também vivem neste mundo, há uma diferença significativa entre a vida terrena dos sadhus e a das jivas que estão iludidas por maya. Apesar das vidas terrenas de ambos parecerem ser a mesma coisa do ponto de vista externo, internamente há uma diferença imensa. Além disso, a associação dos sadhus é muito rara, pois, muito embora sempre haja sadhus presentes neste mundo, o homem comum não consegue reconhecê-los. Há duas categorias de jivas que caem nas garras de maya. Umas estão totalmente absortas em prazeres mundanos insignificantes, e tem este mundo material na mais alta estima. Outras, sentindo-se descontentes com os prazeres insignificantes de maya, empregam discernimento mais sutil na esperança de atingir uma qualidade superior de felicidade. Por conseguinte, podemos dividir as pessoas deste mundo em dois grupos: o daquelas que carecem da faculdade de distinguir entre …

Em Navadvipa-dhama, Sri Madhvacarya, Sri Ramanujacarya, Sri Visnusvami, Nimbaditya, todos os Vaisnavas-acaryas adoram Caitanya Mahaprabhu e recebem a sua misericórdia, eles completaram o que faltava em suas filosofias. Mas Sankaracarya foi instruído: “Você não pode pregar aqui. Este não é o lugar de Mayavada. Não fale uma palavra contra bhakti em Navadvipa ou Vrindavana. Oferecer uma reverência a esta terra e orar por misericórdia de Mahaprabhu, em seguida, ir e pregar em outros lugares. Aqui, não pode nunca ser a pregação de Mayavada.” Portanto, Sankaracarya ofereceu pranama para este bhumi e saiu. Sua Prabhu é Krishna, mas ele pregou Mayavada por causa de uma circunstância especial e pela ordem do Senhor. Ele pregou a karmis, jnanis, bhogis – aqueles que querem bhoga –moksa, e assim por diante, como resultado de sua adoração a Krishna e Mahaprabhu. Ele os fez ir distante de Krsna e de Mahaprabhu para que não perturbassem o Senhor.

Eu não quero que nenhum devoto receba a ordem renunciada para depois cair. Quero que, até a sua morte, eles sejam muito fortes e preguem a nossa missão, mesmo depois de eu partir. Eles nunca devem ser fracos. Eles devem pensar: “Nosso Gurudeva está presente em nossos corações. Nosso Gurudeva nunca nos abandonou.” Vocês devem fazer isso. Guru nunca morre. Vocês podem ver isso em Nityananda Prabhu – que Guru nunca morre. Eu quero que depois que eu parta, a nossa missão continue; nossa pregação deve ser continuada. Quero, portanto, dar a ordem  a pessoas muito qualificadas que não vão cair quando eu sair. Eu não vou dar a todos eles ao mesmo tempo. Vou dar-lhes de forma gradual, e, atualmente, um, dois, ou três, se os devotos permitirem. Eu selecionei dois para este ano, e se vocês selecionarem mais, vou considerá-los também. Se a pessoa não é humilde e tem insuficiente guru-nistha, ela não é qualificada. Ela deve ser estável, não fraca.

Quando Sri Krishna vem a este mundo e deixa Vrndavana, há uma longa separação. Em Goloka Vrndavana, no entanto, esse tipo de separação não está presente. A pergunta vem: por que Krishna, Rama e Mahaprabhu iriam manifestar este tipo de separação neste mundo? A resposta é que, pensando, ouvindo e falando sobre aqueles passatempos de separação, um gradualmente alcança bhakti-rasa (devoção pura) e entra os passatempos eternos do Senhor. Navadvipa é o lugar de separação intensa. Aqui, os moradores de Navadvipa experimentam o sofrimento da separação, na medida extrema. Com a idade de vinte e quatro anos,Mahaprabhu foi para Nrdaya-Ghat na margem do Ganges, nadou até Katwa, e tomou sannyasa. Ele deixou Vishnu Priya e Saci-Mata em casa, chorando pela separação. Como somos felizes para visitar estes lugares extremamente santos, em que podemos tomar a poeira e ouvir os passatempos que foram experimentados lá.

Como Oferecer Bhoga para Krsna

Antes de se oferecer a bhoga, a coroa, a flauta, etc., das Deidades devem ser removidas. Uma folha de tulasi deverá ser colocada em cada preparação – a folha deve estar inteira, saudável e lavada. Primeiro deve-se oferecer a bhoga a Sri Gauranga, depois para Sri Sri Radha-Krsna, e então para Sri Gurudeva. Se não for oferecer a bhoga para Sri Sri Radha-Krsna juntos, então, primeiro se oferece a bhoga para Sri Krsna, e depois se oferece os remanescentes de Sri Krsna para Sri Radha. Nós devemos oferecer a bhoga com o sentimento de que Sri Gurudeva é quem está oferecendo a bhoga a Sriman Mahaprabhu e depois para Sri Sri Radha-Krsna. Procedimento: Traga a bhoga a ser oferecida para dentro do altar, coberta por um pano, e sente-se de frente para as Deidades. Antes de recitar os mantras deve-se orar para Sri Gurudeva, implorando muito humildemente, com um sentimento de total submissão, e falta de aptidão e capacidade, para que ele torne possível a oferenda, para que ele torne perfeito o ritual que você …

Há uma verdade védica, uma verdade eterna. Se se aceita ou não aceita, se Deus existe ou não existe, ou seja, para além do ponto. No entanto, há uma verdade que todos, seja ela religiosa ou não religiosa são obrigados a aceitar: neste mundo a morte é certa. Ninguém pode negar isso. Portanto, nesse mundo, a morte é certamente uma realidade. E outro ponto é que neste mundo é também uma realidade que aquele que nasce certamente tem que morrer. E ele certamente se tornará velho, se ele permanecer. Neste mundo, você joga o harmonium, mas você tem que aprender com alguém. Perguntei aos irmãos Punja “Onde você aprendeu este negócio? De onde você aprendeu? ” Eles disseram: ”Aprendemos com nosso pai”. “Você está em dívida com ele não é? E onde é que ele aprendeu? E ele, que lhe ensinou, onde ele aprendeu? ” O conhecimento em relação a este mundo, que será destruído e dará resultados ilusórios ou felicidade mundana, também pode estar lá. Assim, uma pessoa inteligente, embora envolvida nessas coisas, compreende …

Devemos saber que a Suprema Personalidade de Deus é algo único, sem par. Ele é o mesmo Deus para os cristãos, para os muçulmanos, para os hindus, e para todos os outros. Não existem diferentes Deuses. Ele é o mesmo Deus, o mesmo Buda, o mesmo Cristo. Assim como há um sol e uma lua para todo o mundo, da mesma forma, não há Deuses diferentes para pessoas diferentes. Como Deus pode ser dividido? Não deve haver mais de um Deus, caso contrário, todos os deuses irão brigar por território e posição. Só há um Deus, mas Ele aparece de acordo com a visão do devoto. Verifica-se que existem quinze luas diferentes. Para 15 dias, a lua aumenta gradualmente de tamanho, tornando-se uma lua cheia; Logo volta a diminuir, tornando-se uma lua nova no último dia do mês. As luas não são diferentes, são os nomes da lua que são diferentes: lua cheia, lua nova, lua de um quarto. Da mesma forma, só há um Deus, mas Ele parece ser muitos, porque os devotos ignorantes …

No Srimad-Bhagavatam todos os tipos de siddhanta – verdades estabelecidas – são dadas. Lá, bhakti foi definido em particular, quais são os sintomas de bhakti yoga. Bhakti deve ser feito por Krishna, sem qualquer motivo, causa mundana. E deve ser contínua, como uma corrente ininterrupta de mel. E é por isso que Rupa Gosvami definiu bhakti com este verso: anyabhilasita-sunyam jnana-karmady-anavrtam anukulyena krsnanu-silanam bhaktir uttama ”O cultivo de atividades que são designadas exclusivamente para o prazer de Sri Krishna, ou em outras palavras, o correr ininterrupto de serviço a Krishna, realizado através de todos os esforços do corpo, mente e fala, e através da expressão de vários sentimentos espirituais (bhavas), os quais não estão cobertos por jñana (conhecimento direcionado para liberação impessoal) e karma (atividades em busca de recompensa), e os quais são despidos de todos os desejos além da aspiração de trazer felicidade a Krishna, é chamado uttama-bhakti, serviço devocional puro.” Eu quero todos vocês para entender esse verso.  Se vocês podem saber isso, então vocês podem seguir bhakti. Caso contrário, se vocês não sabem, …

Devoto: Ontem você citou seu Guru Maharaja dizendo que, sem Radharani, Krsna é zero – nirvisesa-brahma. Mas no Jaiva Dharma diz que Krsna tem algo que não é a obra de Sakti. Ele tem independência e livre vontade ou desejo. Você disse que eu devia mostrá-lo. Srila Gurudeva: Sim, está escrito lá que sem sakti Ele é como zero. Aqui está escrito que, sem a ajuda de Sakti, a alma condicionada não pode ter qualquer ideia desta Sakti. Quando uma pessoa começar a amá-Lo, quando tiver rati ou bhava, então ele pode entender alguma coisa. Devoto: Quando você diz que sem sakti… Srila Gurudeva: Esta é a coisa. Apesar de Krsna estar lá, se não houver nenhuma potência, então ele será cifra, zero. Ele será nirvisesa-brahma. Devoto: Então, por que Jaiva Dharma diz que Krsna tem o livre-arbítrio, não é o trabalho da sakti? Srila Gurudeva: Apesar de Krsna ter liberdade e desejo, o baddha-jiva irá vê-Lo como nirvisesa. Visesa significa que Ele tem qualidades, forma, forma e outras coisas, mas estes são provenientes de …

Colocando Tilaka – tilaka-dharana

Depois de se banhar e de se sentar em um assento chamado asana, coloque água do Ganges no pañca-patra(1) e coloque uma folha de tulasi dentro dele. Pegando um pouquinho dessa água na palma da mão, misture nela um pouquinho da terra da base de uma arvorezinha de tulasi(2). Na ausência de água do Ganges, coloque água fresca no pañca-patra e adicione uma folhinha de tulasi. Em seguida, enquanto se lembra do Ganges e de outros rios sagrados, enrole três vezes o cordão sagrado no polegar direito, toque esta água com o dedo anelar – cuidado para não tocar a água com a unha, e cante o seguinte tirtha-avahana mantra para invocar os vários rios sagrados para o pañca-patra. gange ca yamune caiva godavari sarasvati narmade sindho kaveri jale ´smin sannidhin kuru “Ó Ganga, Ó Yamuna, Ó Godaveri, Ó Sarasvati, Ó Narmada, Ó Sindhu, Ó Kaveri, por favor estejam presentes nesta água.” Use essa água e a gopi-candana para formar uma pasta na mão esquerda. Então, com doze mantras, começando com om kesavaya namah, aplique a tilaka formando o urdhva-pundra, o templo de Sri …